quinta-feira, 10 de abril de 2014

Relatório da ONU confirma: Porto de Mariel em Cuba vem sendo usado para contrabando de armas para a Coréia do Norte.







Um relatório de peritos do Conselho de Segurança da ONU publicado em 6 de Março desse ano revela detalhes de como o porto de Mariel, recentemente reformado pelo conglomerado brasileiro Odebrecht com aporte de recursos do BNDES da ordem de US$ 900 milhões e forte articulação política do governo brasileiro, foi usado para o contrabando de 240 toneladas de armas, incluindo mísseis e armamento pesado, para a Coréia do Norte.

O relatório explica, inclusive, o porquê de Porto Mariel ter sido escolhido para essas transações criminosas, de modo a impedir a detecção da carga ilegal e evitar o seu rastreamento.


Confira o artigo que repercutiu essas descobertas:

http://www.capitolhillcubans.com/2014/03/why-odebrechts-port-was-chosen-for.html

E o mais importante (fontes primárias), o próprio relatório da ONU que denuncia a operação:

http://www.un.org/ga/search/view_doc.asp?symbol=S/2014/147

Recomendo especial atenção aos anexos do relatório, especialmente do anexo IX ao XXI.




Que o governo brasileiro se aproximou das maiores ditaduras do mundo nos últimos anos não é novidade. Irmãos Castro, Chávez, Kadhafi, Bongo, al Bashir, Morales, dinastia Kim, entre outros ditadores são parceiros do governo brasileiro tomado pelo Partido dos Trabalhadores.


Mas nesse caso coisa é tão grave que ultrapassa a discussão interna, na qual o impeachment seguido de intensas investigações e cadeia para os envolvidos seria a saída mais óbvia. Entramos na seara dos crimes internacionais de guerra.


Bem-vindos ao Eixo do Mal.

Um comentário:

Leandro Teles Rocha disse...

Crime de guerra? Neste caso é pena de morte, segundo a Constituição brasileira.